quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O meu homem

O meu homem não é um cavaleiro medieval
Não é bombado
Não acorda ao meu lado
Não me da mal

O meu homem é especial
e por ele eu sou apaixonado
tenho esse amor inventado
O meu homem é essencial

O meu amor é ilegal
é defensivo
é ofensivo
O meu amor é real

Por ele eu sigo
ele é meu tudo
ele é meu mundo
Ele é meu melhor amigo.


Dedicado ao meu melhor amigo, Radhesyam Pereira

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Assassinato entre dois mudos

.... . ... ......!
... ..... ... .. ........!
..... ....!
.... .... ....?
-.... . .....!
...!
*BANG*

Ah!


Poesia vencedora do concurso "Poesia em trânsito" realizado pela Universidade Luterana do Brasil(Ulbra).

Agradecimentos especiais as causas sociais e a professora Sirlei Ribeiro do colégio Ulbra São Lucas

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Your Love is...

So you looked at me
Borrowing tears from broken hearted
Putting all in a Jar of hearts

Viscus I am
No heart to steal
No tears to dry
No smile of joy

You say you love me
You say you need me
But I only know that your love
It's a death statement

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Um texto sobre Mis

E aqui estávamos nós... E ele quebrou meu coração... Novamente despedaçado... Na verdade, eu o quebrei, é isso que eu faço... Por querer seu calor eu aceitei me tornar frio, por querer tremer eu aceitei ser estático.

Não sou uma moldura, não estou aqui para enfeite, me ame ou me deixe, não me use, não sou um brinquedo. Não sorria para mim ao menos que me ame, ou que me aprecie, não sou um brinquedo, nem uma piada, eu sou orgânico, eu sou vivo, eu respiro.

Eu sangro, eu choro, eu tenho necessidade, tenho fome, preciso de água, preciso de amor. Você pode me amar? Aquele amor especial que só alguém diferente dos outros pode me dar? Cansei de amigos, cansei de ilusões, cansei de brincar, me ame ou me deixe, não me aceite, não sou uma lei pra ser decretada.

E esse sou eu... Aquele que quebrou o próprio coração por pensar que merecia mais, aquele que se amou por esperar pelo amor... Sou aquele do cabelo estranho, da cor amorfa, do jeito estranho de caminhar, das roupas que não combinam e dos gostos duvidosos. Aquele que decifra os mistérios de um romântico, que lê os sinais de uma virgem, que vive num mundo... Não... Em um cabaré.
Ame-me ou me deixe não me de esperanças, não me faça acreditar que sempre você diz que me ama você tem amor por mim, eu sei que não é bem assim... Eu sei que você me ama, e isso eu entendo! Mas... Você me deseja? Você seria capaz de me amar quando eu estivesse para morrer? Sua devoção seria suficiente, maior que sua aspiração por liberdade?

Quando você me vir caído, com as asas cortadas e aspirando pelo céu, você vai me erguer? Ame-me... Apenas me ame... Ou me deixe.